Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de março de 2011

Gloster Fancy Mealhada – One Day Show

O One Day Show é uma exposição de 1 dia na qual se julga 25 classes, esse vídeo que segue é de Mealhada Portugal 2010, claro que os senhores não conseguirão tirar os olhos do pássaros que são belíssimos e me fazem sinceramente ter pena de mim mesmo e dos criadores de gloster do Brasil, tamanho o hiato que há entre nossos padrões de aves, mas importante que observem outros detalhes, tais como, o modelo das gaiolas, a forma que as mesmas são expostas, a quantidade de aves, o local do evento, a organização, vale a pena ver e rever esse vídeo.

video

segunda-feira, 28 de março de 2011

Como melhorar os nossos glosters por Kevin Galvin

Primeira etapa:
Para iniciar, sou da opinião que se deve selecionar dois criadores que tenham alguns anos de experiência e uma classificação regular nos seus resultados nas principais exposições de Glosters. Quando se tiver decidido em relação aos criadores, tente, se possível, obter quatro casais de Glosters de cada um dos criadores.
Ao iniciar com 16 aves, deverá realizar uma seleção das diferentes cores e tipos de plumagens.

O que eu proponho é:
Um intenso verde, fêmea se possível
Um azul completo ou branco pintado
Uma femea canela.
O resto do plantel será completo por 50% de verdes e 50% de pintados amarelos.

Duas razões para fazer esta seleção:
A primeira é o fato de nos permitir a oportunidade de acasalar todas as diferentes variadades de cores do canário gloster (à excepção do grizzles – ou lipo como é mais conhecido por nós).
Este fato dá-nos a hipótese de expor aves na maior parte das classes. Quanto maior o número de classes em que participarmos, maior a probabilidade de conseguir algum prémio, e assim ganhar algum prestígio no mundo dos glosters.
A segunda razão, a mais importante na minha opinião, é a possibilidade de obter diferentes tipos de plumagens, para alcançar o standart através do acasalamento destes.

Acasalamentos para o primeiro ano:
Uma fêmea canela com um macho verde ou ¾ verde
Um azul ou azul pintado com um verde ou ¾ verde
Uma fêmea intensiva verde com um ¾ verde ou um pintado com bom volume
Os restante cinco casais serão compostos por verdes ou ¾ verdes com pintado.

Segunda etapa:
É importante trabalhar com estes canários durante quatro a cinco anos, com uma seleção rigorosa, tentando eliminar progressivamente os defeitos. Conservar apenas as aves muito boas para dar continuidade a nossa linha.
É importante conservar um registro escrito das nossas aves, sobretudo se optarmos por não recorrer a aves de outros criadores e queremos formar a nossa própria linha de glosters.
Nos nossos registros de criações, devem estar identificadas claramente as aves canelas e os machos portadores de canela. Mais uma vez, no caso de pouca experiência, não ter medo de pedir conselhos aos mais experientes.
Com os canelas, azuis e intensivos, é aconselhável conservar sempre aves suplentes com as mesmas qualidades no caso de algum deles se recusar a acasalar. Esta prática é muitas vezes preferível do que recorrer a uma outra ave proveniente de outro canaril podendo ser prejudicial à nossa linhagem.
Também por isso é de boa prática quando se vendem aves do nosso canaril conservar os nomes dos criadores que os compram, eles poderão ser-nos úteis no caso de ser necessária uma substituição no nosso plantel.
Deverá conservar-se para as nossas criações um mínimo de 16 fêmeas, se possível mais. É importante conservar as diferentes cores e tipos de plumagem. Com menos de 16 fêmeas, é quase impossível de expor glosters no TOP ano após ano. Se tudo correr bem, após cinco anos teremos a nossa própria linha de aves, todas com proximidade genética. Nesta etapa é importante conservar três intensivos verdes ou ligeiramente variegados, e acasalar dois no mínimo. Em geral, é importante ter mais do que 16 fêmeas, e cerca 13 machos, entre eles dois azuis, um canela visual e um macho portador de canela.

Terceira Etapa
No caso de se possuir uma boa linha de glosters, mas que ainda não ganhou uma exposição, é aconselhável começar na terceira etapa.
Chegada a altura das exposições, se tudo correr bem, começam a surgir os resultados. No caso de vencermos algum prêmio será uma prova do trabalho realizado, sobretudo se forem aves descendentes do nosso próprio canaril, fruto das nossas seleções, do nosso trabalho. Caso contrário, deve ser-se honesto e humilde, aceitar os defeitos ou falhas que são apontados aos nossos pássaros. E, se necessário pedir ajudas ou conselhos a outros criadores campeões. Depois de identificadas as falhas e os aspectos a corrigir, será então altura de procurar sangue novo para tentar retificar os defeitos da nossa linha de aves. Será necessário um macho de excelentes características em falta no nosso plantel. O melhor será recorrer ao criador que nos forneceu as nossas primeiras aves. Outra alternativa, é recorrer a criadores que possuam uma linha de aves muito semelhante à nossa. Uma vez encontrado o macho ideal a próxima etapa é acasala-lo com duas fêmeas. Inicia-se assim uma nova família. Os filhotes provenientes desses cruzamentos deverão mostrar qualidades erradicando ao mesmo tempo os defeitos. Caso contrário, devemos desfazer-nos do macho e dos filhos. No ano seguinte procurar um novo macho e voltar a repetir o mesmo procedimento. Quando estivermos satisfeitos com o resultado, com alguns, ou mesmo todos os pássaros desta nova família, poderemos introduzi-los gradualmente na nossa própria linha. No caso de novas falhas virem a aparecer devemos de estar preparados para uma árdua tarefa de vários anos.

Mais reforços

Outro canário que chega para reforçar o Canaril Revorêdo é esse macho pintado intenso sem topete vindo tb do Canaril San Martin do meu amigo Wlad Silva, praticamente todas aquisições desse ano do meu canaril serão em canários intensos e em canários lipo.

video