Pesquisar este blog

domingo, 25 de setembro de 2011

O tamanho dos glosters

A muito tempo e principalmente esse ano, venho tendo o mesmo pensamento do que transcreverei abaixo, é um artigo de um criador europeu especializado em gloster, que diz exatamente o que penso a respeito da raça, e mais ainda, deixa claro o erro grotesco que a OBJO ta querendo fazer e vem fazendo com a raça Gloster aqui no Brasil. Leiam atentamente e tirem suas conclusões.

Este artigo é dirigido a todos os criadores e expositores de glosters, assim como juízes em geral, aos quais gostaria de expressar a minha opinião sobre o conceito TAMANHO no que diz respeito ao gloster.
Antes de iniciar devemos situarmo-nos historicamente. A primeira aparição do gloster (após dez anos de trabalho), surge por volta de meados da década de 1930, no condado inglês de Gloustershire, no oeste de Inglaterra, de onde recebeu o seu nome. Foi Mrs. Rogerson a responsável de trabalhar com diferentes raças (Crest de menores dimensões possíveis, Borders e canários do Harz), para conseguir este simpático animal, que com muita probabilidade, é o canário de postura mais popular do mundo.
Para obter um gloster, é absolutamente imprescindível partir de um exemplar com boas características morfológicas (fenótipo) conhecidas no standart da raça, como por exemplo: boa cabeça, bom tipo, boa qualidade de plumagem, e tamanho aceitável.
No que diz respeito ao genótipo, por não ser algo tangível, devemos recorrer a um sério e prestigioso criador, que crie de forma seletiva, seja em inbreding ou em outbreding, ou seja com linhas mais ou menos diretas em consanguinidade.
As cabeças no gloster, serão morfologicamente diferentes no caso de um corona ou um consort. Uma boa coroa deverá distinguir-se pela sua redondeza, e ser o mais definida possível, formada por penas longas que cairão em todas as direções, bem aderidas e partindo de um ponto central definido.
Por vezes vemos em exposições coroas excessivamente grandes, que não permitem ver os olhos (estas serão definidas como Coronas tipo Crest). Para salvaguardar a raça deveremos selecionar as coroas que permitem ver a metade os olhos, para isso serão necessários vários tipos de plumagem de diferentes comprimentos.
No que diz respeito ao consort, devemos ser honestos e aceitar dois conceitos distintos de cabeça:
1. Cabeça larga e o mais redonda possível, que lhe confere uma grande sensação de redondeza. A união com o peito, costas e corpo, deve formar um único bloco, bem definido e compacto; o que se denomina de corpo braquiforme mas com pequena diferenciação de pescoço, ao contrário do Norwish. O bico será o mais pequeno, curto e redondo possível. (exemplares para exposição)
2. Cabeça mais plana e mais pequena, com tendência a estreitar o crânio sobre os olhos. Este será um magnífico exemplar para tirar coronas. (exemplares para reproduzir boas coronas)
Possuir aves com estes dois tipos de cabeça não será o mais difícil de conseguir. A verdadeira dificuldade encontra-se no conceito TIPO ou CORPO, que deverá ser o mais largo possível. Se partirmos do peito, ou seja, da parte inferior do bico, até ao começo da cauda, deveremos descrever um curva perfeitamente redonda. Jamais a forma em “barril” característica dos Norwish.
É precisamente neste conceito onde os criadores devem trabalhar mais insistentemente, devido à dificuldade em conseguir bons exemplares. Não se trata de criar uma plumagem larga no dorso e peito, mas antes conseguir uma estrutura óssea suficientemente ampla por si só. Um bom exemplar, com bom corpo e boas costa, quando agarrado, dá a sensação de encher a mão.
Se estivermos conscientes de que tudo o que foi escrito até agora é absolutamente imprescindível, poderemos seguir a análise dos conceitos restante.
Todos sabemos que o Standard afirma que o gloster deve ter 11 cm, mas todos também concordamos, que atualmente é algo complicado e chega a ser irreal, se pensarmos no simples fato que não existe nenhum canário menores que 12 cm. (nem mesmo o raça espanhola conseguiu chegar a este tamanho). O conceito Tamanho deverá ser visto como um ideal de proximidade, mas sem esquecer os outros conceitos anteriores, caso contrário teremos um canário atípico. Ao reduzirmos o tamanho do gloster nem que seja 1 cm, teremos problemas nos conceitos expostos até ao momento, deixando de ter um gloster ajustado ao standard. Onde sim poderemos trabalhar, será na diminuição das caudas dos nossas exemplares, o que nos ajudará a ter uma sensação óptica de miniaturização, sem sacrificar os demais conceitos, cabeça, corpo e qualidade de plumagem.
Creio que os ingleses souberam aplicar corretamente este conceito quando afirmam que o tamanho deve ser “o mais pequeno possível, sem medida fixa, buscando o equilíbrio entre cabeça, corpo e tamanho”. Seguramente que eles não têm problemas porque nos seus concursos não pontuam numericamente os seus pássaros, simplesmente os vão classificando de acordo com as características mais apreciadas, o que lhes permite não errarem em nenhum dos conceitos. Julgo que o conceito tamanho não seja o mais importante…Convido-os a fazerem uma experiência escolhendo no vosso canaril o Gloster maior e o gloster mais pequeno, comparem-nos e verão que no máximo não existirá 1 cm de diferença entre ambos. A diferença engloba todo o corpo do pássaro, dando uma sensação de maior tamanho, que na realidade acaba por ser uma sensação óptica provocada pela diferença de volumes.
Durante os últimos 50 anos, segundo a bibliografia existente, ninguém conseguiu reduzir o tamanho. Foi durante a última década e influenciados por determinados julgamentos, numa altura em que este conceito tanto em Espanha como em França, teve uma importância desmesurada, que levou ao declínio de todos os criadores espanhóis, que passaram a estar em inferioridade quando os seus gloster competiam a alto nível em outras exposições fora das suas fronteiras.
Neste momento temos que criar uns pássaros para serem apresentados no campeonato de Espanha, e outros muito diferentes para apresentar no exterior.
Enquanto que em Itália, reino unido, bélgica, holanda e Alemanha privilegiam mais outros conceitos como cabeça, corpo e forma, nós quase sempre nos preocupamos exclusivamente com o tamanho, deixando para segundo plano os conceitos que as grandes potências mantinham como primordiais e inquestionáveis.
Entendo que seja triste enganar os criadores que pretendem competir noutros países, simplesmente pela teimosia de alguns juízes. Entre os corredores de Regio Emilia tive oportunidade de encontrar alguns juízes espanhóis, que compravam glosters aos grandes criadores italianos, o mais afastados do conceito tamanho do standard que possamos imaginar. Expressões como (uma coisa é o que compro e outra o que julgo por parte de alguns juízes soam grotescas e clarificadoras.
Entre os corredores de Regio emilia tive oportunidade de encontrar alguns juízes espanhóis, comprando glosters aos grandes criadores italianos, pássaros muito longe do tamanho do standard do que possamos imaginar. Isto levou-me à seguinte conclusão “não olhes para o que digo mas para o que faço.”

Escrito por: Jordi Lermo i Querol Criador y Juez

sábado, 24 de setembro de 2011

Leandro Vergati - O pagodeiro dos Gloster



Nome: Leandro Vergati
Idade: 34

Cidade: Santo André
Clube (Nome, Sigla, Anel): SOBC / EM / 088
Nome do Canaril: Criadouro Vergati
  
01. Há quanto tempo você cria canários?
Crio canarios a 4 anos
 
02. Como, quando e porque começou há criar canários?
Eu comecei a criar canario prq meu avô tbm criava,isso me incentivou.
03. Quais as cores e (ou) raças que cria?
Eu crio apenas GLOSTER


04. Quantos casais de cada cor e (ou) raça você tem no seu canaril?

Esse ano to com 12 casais de gloster,serie completa
05. Que raça ou cor você mais gosta de criar? E porque?
Desde criança sempre gostei dos "topetinhos",por isso comecei a criar os glosters
06. Como está sendo o inicio da temporada de cria esse ano para você?
Está indo bem,até agora nao tive problemas com nenhum casal. Espero q continue assim,rs...
07. O que mais te motiva a criar canários e porque?
É a cada ano superar meus resultados,e melhorar sempre o padrão da raça.
08. Que cor ou raça você tem se destacado nos torneios e que na sua opinião se deve esse fato?
O destaque na minha opiniao se deve a dedicação e atenção no acasalamento.
09. Como você tem analisado as mudanças no padrões dos gloster?
Eu vejo as mudanças de uma forma positiva,mesmo ocorrendo de uma forma drastica em 2010,tenho certeza que isso vai melhorar muito a raça no Brasil.
10. De que criadores se originam suas matrizes?
Bissoli / Marcelo Jundiai / Roloff / Capretz / Prudlik
11. Na sua opinião o que mais te chamou atenção no CB desse ano?
A quantidade de novos criadores se destacando com bons resultados.
12. Para você que criador(es) mais tem se destacado na criação de gloster no Brasil?
Sem duvida o Bissoli é nosso destaque na criação de gloster.
13. Está satisfeito com a evolução do seu plantel? Onde quer chegar?
Estou satisfeito sim,vou aprimorar cada vez mais com o passar dos anos. Quero ser um dos destaques da raça no Brasil.
14. Existem alguma cor ou raça que tens vontade de criar e ainda não crias? Qual? Porque? Existe possibilidade de vir criar?
Não,gosto de gloster mesmo! Vou continuar só criando essa raça.


15. Para você o Gloster cria bem?
Cria sim,trabalho tem em toda criação e todas as raças.
16. Qual o maior problema que você tem enfrentado na criação de Gloster?
Nao digo problema,mas a diminuição do tamanho dos glosters é o que vem nos dando mais trabalho pra melhorar.
17. Para quem está pensando em começar com os Gloster que conselho você pode dar?
Escolha canarios de criadores honestos e com qualidade. Vale muito mais a qualidade do q a quantidade. Pensem nisso!!!!
18. Você se preoculpa com as cores dos glosters ou so com a forma e cor é conseqüência?
Tento fazer o acasalamento,pensando na serie completa,mas nao deixando a forma de lado. Gloster é muito mais forma do que cor.
19. Como você analisa a questão da importação de canários da Europa?
Os orgãos responsaveis dificultam demais a importação,eu gostaria de fosse um pouco mais facil,pra gente poder ter um padrão Mundial em nossos canarios.
20. Existe alguma regra, segredo ou dica que para você faz diferença na criação dos glosters?
Dedicação,Atenção,Estudar a raça.
21. Gloster Intenso, como você trabalha eles no seu plantel?
Esse é meu primeiro ano criando com intenso,pois nao havia encontrado matrizes de qualidade antes. Então ainda nao tenho como responder isso,rs...
22. Que tipo de acasalamento você nunca faz no seu plantel?
Br x Br / Nv x Nv / Ct x Ct / In x In. Isso nunca faço.
23. Para você qual a importância dos canelas? Ou são apenas mais uma cor?
Canelas diminuem o tamanho dos filhotes,melhoram a forma e plumagem tbm!
24. Qual sua meta como criador? Onde quer chegar? Qual o caminho?
Quero ser reconhecido como um dos melhores criadores de gloster do pais,com muita dedicação e respeitando a todos tenho certeza q chego lá!!!!



quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Canaril Fbynho - Abrindo a série de entrevista desse ano






Ano passado o nosso blog fez uma série de entrevistas com diversos amigos criadores de canários, e esse ano não será diferente, graças ao bom deus, cada dia aumenta o número de amigos, criadores e parceiros dentro da canaricultura e para abrir a série de entrevistas desse ano o grande Fbynho.
Nome: FABIO DA SILVA DIAS
Idade: 37 ANOS
Cidade: SÃO PAULO/SP
Clube: CENTRO PAULISTA DE CRIADORES DE CANARIOS FRISADOS / CF / 081
Canaril: CANARIL FBYNHOS
01) Há quanto tempo você cria canários?
03 ANOS E MEIO.
02) Como, quando e porque começou há criar canários?
SEMPRE GOSTEI DE CRIAR PÁSSAROS, DESDE DE CRIANÇA, EU TINHA POUCOS PÁSSAROS DA FAUNA BRASILEIRA EM CASA E UM DIA QUANDO EU VI UM CANÁRIO SALSA CANTANDO EU FIQUEI APAIXONADO PELO CANARIO (SALSA), FORMEI 05 CASAL DE PÉ DURO ( SALSA) E NA MINHA PRIMEIRA CRIAÇÃO TIREI 30 FILHOTES, MINHA PRIMEIRA CRIA, NA VERDADE EU NÃO CONHECIA O CANÁRIO DE RAÇA ATÉ QUE UM DIA EU CONVERSANDO COM UM AMIGO ELE ME PERGUNTOU SOBRE ALGUNS PÁSSAROS SILVESTRES, DISSE QUE TINHA TERMINADO COM TUDO E AGORA ESTAVA CRIANDO CANÁRIO E ELE LOGO ME APRESENTOU UM CRIADOR DE CANÁRIO DE RAÇA (COR), FIQUEI AINDA MAIS APAIXONADO PELOS CANÁRIOS E COMECEI A CRIAR ALGUNS CANÁRIOS DE CORES, DESFIZ DOS MEUS SALSAS RSSS E COMPREI 08 (OITO) CASAIS DE VÁRIAS CORES E COMECEI A ME APROFUNDAR NA CRIAÇÃO, DEPOIS DA CRIAÇÃO DE COR COMECEI A CRIAR OS DE PORTE FORAM MUITOS: FIORINO, FAFY FANCY, BORDER, ESPANHOL, FRISADO DO SUL, SCOTCH FANCY, GLOSTER E DEPOIS DISSO FUI ATRÁS DE UM CLUBE AQUI EM SÃO PAULO PARA SER CRIADOR E ATRAVÉS DE UM AMIGO (CANARIL CURICO - ALEXANDRE) CONHECI PELA INTERNET (ORKUT), FOI ELE QUE ME FALOU DO CENTRO PAULISTA AQUI NA MOÓCA EM SP/CAPITAL, SOU SÓCIO HÁ 02 (DOIS) ANOS NO CLUBE.
 
03) Quais as cores e (ou) raças que cria?
CANARIO DE COR: COBRE, ÁGATA VERMELHO MOSAICO, ÁGATA OPALINO VERMELHO MOSAICO, COBRE PASTEL VERMELHO INTENSO, NEVADO, MOSAICO E MOSAICO MARFIM, CANELA PASTEL VERMELHO INTENSO, NEVADO E MOSAICO, VERDE E AZUL PASTEL, ÁGATA TOPÁZIO AMARELO MOSAICO E ASAS CINZAS COM FATOR E SEM FATOR, CANÁRIO DE PORTE: SCOTCH FANCY, RAÇA ESPANHOLA, GLOSTER E LANCASHIRE.
04) Quantos casais de cada cor e (ou) raça você tem no seu canaril?
TOTAL ESTOU FAZENDO 37 CASAIS SENDO: 28 CASAIS DE COR COM FATOR E SEM FATOR E 09 CASAIS DE PORTE.
05) Que raça ou cor você mais gosta de criar? E porque?
EU TENHO PAIXÃO POR 2 CORES: ASAS CINZA E CANELA PASTEL VERMELHO MOSAICO E 2 RAÇAS DE PORTE: GLOSTER E SCOTCH FANCY.
06) Como está sendo o inicio da temporada de cria esse ano para você?
ESSE ANO ESTÁ BOM, ANO PASSADO EU QUASE DESISTI DE CRIAR, POR QUE ESSE MESMO PERÍODO DO ANO PASSADO EU NÃO TINHA NENHUM FILHOTE, ATÉ PENSEI EM PARAR DE CRIAR, MAIS QUEM ME INCENTIVOU A NÃO PARAR FORAM 02 (DOIS) AMIGOS, CRIADOR PARDALZINHO E CRIADOR RAMON CATELLI.
07) O que mais te motiva a criar canários e porque?
É NA HORA DA CRIAÇÃO, QUANDO ESTÁ NASCENDO OS FILHOTES, ME DEDICO MAIS, ALIMENTANDO OS FILHOTES, O NASCIMENTO É SEMPRE BOM, NÃO TEM COISA MELHOR PARA UM CRIADOR, TENHO UMA FRASE JÁ CONHECIDA POR AI, QUE VENHAM OS FILHOTES.
08) Que cor ou raça você tem se destacado nos torneios e que na sua opinião se deve esse fato?
NO MEU PRIMEIRO ANO DE CAMPEONATO, ACHO QUE FUI BEM : RAÇA ESPANHOLA, GLOSTER, SCOTCH FANCY, LANCASHIRE, ASAS CINZA COM FATOR E COBRE PASTEL MARFIM MOSAICO FÊMEA, NESSE PRIMEIRO ANO NO BRASILEIRO, EU CONSEGUI FAZER: 03º LUGAR GL ST FD AM NV PINTADO E 04º LUGAR CB PT MF MS FM. SENDO PELA PRIMEIRA VEZ NO CB ESTÁ BOM.
09) Como você tem analisado as mudanças no padrões dos gloster?
ESTÁ DIFÍCIL EM CHEGAR NESSE PADRÃO, VAMOS PRECISAR MUDAR ATÉ CONSEGUIRMOS UM GLOSTER NO PADRÃO, NA MINHA OPINIÃO O GLOSTER ANTIGO ERA MAIS BONITO, TINHA MAIS CHARME, MAIS AINDA VOU ME DEDICAR AO GLOSTER ATÉ CHEGAR NO PADRÃO DA RAÇA.
 
10) De que criadores se originam suas matrizes?
HOJE O MEU PLANTEL VÊM DE ALGUNS CRIADORES / AMIGOS: SR REGINALDO, SR CARON, SR CHIQUINHO, PARDALZINHO, SR ALICIO, CANARIL CURICO, SR FLORINDO FERRO, SR MAGYAR.
11) Na sua opinião o que mais te chamou atenção no CB desse ano?
FOI, O JULGAMENTO FOI DIFERENTE ESTE ANO, SÁBADO ESTAVAM JULGANDO OS COBALTOS SENDO QUE ELES SÃO OS ÚLTIMOS, NÃO TINHA UMA SEQUÊNCIA CERTA, IGUAL DO ANO PASSADO E TAMBÉM PELA DEMORA DOS RESULTADOS, DO DEMAIS TUDO OK.
12) Para você que criador(es) mais tem se destacado na criação de gloster no Brasil?
BISSIOLI AINDA É O CARA, MAIS EU ANALISEI LÁ NO CB, QUE MUITOS GLOSTERS ESTAVAM CAINDO DA MESA LÁ CB E MUITOS DELES FORAM CLASSIFICADOS NOS SEUS CLUBES E ATÉ FORAM CAMPEÕES NO CLUBE. ESSE ANO PEGOU OS CRIADORES DE SURPRESA.




13) Está satisfeito com a evolução do seu plantel? Onde quer chegar?
AINDA NÃO, AINDA PRECISO MELHORAR EM ESTRUTURA E DEFINIR QUAIS RAÇAS E CORES A CRIAR E FAZER SÉRIE COMPLETA. APÓS ISSO VOU MELHORAR NA CRIAÇÃO.
14) Existem alguma cor ou raça que tens vontade de criar e ainda não crias? Qual? Porque? Existe possibilidade de vir criar?
EU ADORO TODOS OS CANÁRIOS, COR E PORTE, SE EU TIVESSE CONDIÇÕES FINANCEIRAS, CRIAVA UM POUCO DE TUDO.

15) Para você o Gloster cria bem?
GLOSTER É MUITO BOM, CRIA MUITO. UMA DICA P/ VOCÊ INICIANTE CRIE GLOSTER.
16) Qual o maior problema que você tem enfrentado na criação de Gloster?
ESPAÇO, MEU ESPAÇO É LIMITADO, EU GOSTARIA DE AUMENTAR.
 
17) Para quem está pensando em começar com os Gloster que conselho você pode dar?
SEMPRE APRENDI O IMPORTANTE É A QUALIDADE E NÃO A QUANTIDADE. QUE ADIANTA TER QUANTIDADE E NÃO TER QUALIDADE. COMPRE DE ALGUÉM QUE TENHA QUALIDADE.
18) Você se preoculpa com as cores dos glosters ou so com a forma e cor é conseqüência?
EU GOSTO MAIS DA FORMA, GLOSTER SEM FORMA NÃO É GLOSTER.

19) Como você analisa a questão da importação de canários da Europa?
SERIA ÓTIMO PARA OS CRIADORES AQUI NO BRASIL, PRECISAMOS DE SANGUE NOVO. ATÉ PARA MELHORAR A RAÇA. NÃO SÓ OS GLOSTERS COMO OUTRAS RAÇAS.
20) Existe alguma regra, segredo ou dica que para você faz diferença na criação dos glosters?
TENHO, FAÇO A CRIAÇÃO APÓS OUTUBRO ATÉ JANEIRO.
21) Gloster Intenso, como você trabalha eles no seu plantel?
AINDA NÃO TENHO INTENSO, SERIA BOM PARA ENXUGAR MAIS MEUS CANÁRIOS. PRÓXIMO ANO VOU ADQUIRIR COM MEU AMIGO LEANDRO.
22) Que tipo de acasalamento você nunca faz no seu plantel?
BRANCO X BRANCO.
23) Para você qual a importância dos canelas? Ou são apenas mais uma cor?
FILHOTES BONS QUE SAÍRAM NO ANO PASSADO FOI DE UM CASAL DE CANELA.
 
24) Qual sua meta como criador? Onde quer chegar? Qual o caminho?
MINHA PRIMEIRA META JÁ CONQUISTEI, CLASSIFIQUEI ALGUNS CANÁRIOS NO CB, AGORA ESTOU BATALHANDO EM CONQUISTAR UMA ROSETA NO CB E DEPOIS COM MUITO TRABALHO E HUMILDADE SER CONHECIDO COMO CRIADOR NO BRASIL.

terça-feira, 19 de julho de 2011

O Canário Rheinlander o antigo Euroasier

Este ano no blog irei falar mais de outras raças de porte, claro sem perder o foco nos gloster que são a minha paixão, vamos começar falando de uma raça recém reconhecida pela COM o canário Rheinlander.
A história desta  raça de canário nasceu por volta dos anos 70/80 na Alemanha, como o homem nunca esta contente com o que tem houve um criador alemão chamado Sr.Horst que pretendia obter um canário do tipo do Lancashire, mas em miniatura.
Para o poder fazer este criador resolveu cruzar um canário hozo japonês com um gloster corona, a sua idéia pareceu-lhe boa, mas foram necessário vários anos de seleção até conseguir o canário que pretendia.
Hoje conhecido entre os criadores de canários de porte como canário de Rheinlander, teve de inicio outro nome. Passava pela junção dos nomes dos dois continentes, Europa de onde é originário o gloster (Gloucestershire) e o Asiático (Japão) de onde é originário o Hozo Japonês, era conhecido nos meios ornitológicos como canário Euroasier (Euro+Asia). Com o passar dos anos este canário tornou-se mais popular, tendo grande crescimento entre os criadores belgas, holandeses e ingleses sendo ainda pouco conhecido de muitos, este canário de porte tende á medida que é mais conhecido a criar o seu lugar entre os fãs dos canários de porte. Esta raça tem algumas particularidades, nela existem os dois tipos, os consort e coronas como nos glosters, devendo o seu cruzamento ser feito entre coronas e consorts, pode ser que haja mais cores, mas só são mais vistos os amarelos e os brancos, o seu porte é pequeno 12cm, para que se mantenha com este tamanho a sua alimentação deve ser diferente de outros canários, penso que requer os mesmos cuidados que um hozo japonês, uma raça espanhola entre outros do mesmo tipo.









O gloster ágata



Realmente os amigos portugueses estão anos luz na nossa frente no que se refere a criação de Gloster, já não bastasse o próprio padrão da raça, o tamanho e a forma, estão a cada dia criando novas mutações de cores para a raça, aqui no blog já mostramos o Gloster Feo o Gloster Pastel e aqui nesse post iremos mostrar o belo Gloster Ágata de fundo branco.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Gloster Pastel? Asa Cinza? Ou coisa de Português?



Conversando com um amigo Portugues, ele me falou que na sua terra lusitana tinha alguns criadores que estavam investindo em tirar uma nova mutação de cor nos gloster e me mandou um link com fotos dessa mutação, ainda não possue nome definido e não sei como eles chegaram a ela, mas que é lindona é, um gloster cinza azulado quase estria nas costas muito parecido com o canario de cor azul pastel que temos por aqui, vejam e avaliem.

domingo, 10 de julho de 2011

Campeonato Brasileiro e meus amigos criadores

Marcão e Flávio amigos de Campinas

Leandro meu principal fornecedor de gloster esse ano, também conhecido como o rei do pandeiro rs

Grande Sidão, a proposito tá a cara de Lineu da grande familia rs

O japa Elton, também fiz a logomarca do canaril dele

Leandro e Flavio visitando stand de vendas

Duas figuraças o Serginho e o Bili dois caras gente finissimas

Galera do Nordeste junto com o meu parceiro Wladimir Silva de Bauru, Marcelo (Presidente da UNO), José Primeiro (o homem dos isabeis opalinos, Wladimir Silva e o Grande Jorge Batista da Bahia

Regua de Medir Gloster

Bem pessoal, ultimamente muito tem se discutido a respeito dos tamanhos dos Gloster, e juntamente com isso vem outra discussão, como medir os bichos? qual a melhor forma de medir? pensando nisso coloco para apreciação de vocês uma régua que eu elaborei com a intenção de facilitar a medição dos mesmo, o que vocês acham? aguardo os comentários de vocês.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

COMO TRANSFORMAR OS NOSSOS CANÁRIOS EM CANÁRIOS PADRÃO EUROPEU

Atravez do Photoshop um programa de edição de imagens, eu transformei um canario bom (razoável) para os padrões nacionais em um canário excelente dentro dos padrões europeus, as imagens a seguir, trantam-se da mesma imagem uma original e outra manipulada atravéz do software, vejam o quão distante estão os dois padrões, quanto ao desafio de produzirmos canarios no padrão internacional não sei vocês, mas eu já consegui, rsrs pelo menos no photoshop.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

CAMPEONATOS 2011: AS MESAS QUE VÃO DEFINIR O CAMINHO DA CANARICULTURA DE PORTE NO BRASIL.


Alguém duvida que 2011 será um ano de grandes definições na canaricultura de porte do Brasil? Em 2010 muitos criadores da raça Gloster foram meio que pegos de surpresa com a mudança no padrão de julgamento da raça, principalmente no que diz respeito ao tamanho que passou para 11cm, o reflexo foi imediato já no Campeonato Brasileiro do ano passado, o que se viu foi criadores vendendo reprodutores e uns até o plantel inteiro, por julgarem que seus canários seriam incapazes de reproduzirem canários com 11cm.
Outro caso importante para a canaricultura de porte no Brasil e que espera as definições das mesas de julgamento é no tocante a raça Yorkshire, que tem a cada dia se distanciado do padrão ideal da raça e os juizes da OBJO prometem rigor nos julgamentos dos mesmos para que gradativamente os criadores passem a ser mais criteriosos e assim passem a criar canários mais próximos do padrão internacional.
Além de mais algumas ressalvas não tão importantes em algumas outras raças, como por exemplo o que diz a ATA DA REUNIÃO TÉCNICA – SEGMENTO CANÁRIOS DE PORTE DE 16 DE ABRIL 2011, da OBJO que trata não só dos assuntos citados acima da raça Gloster e York como também sobre as raças Frisado Pariense e Lizard, na primeira a Ata trata de cobrar maior rigor dos juizes com a gola e o capuz do Parienses para deixa-los cada vez mais longe dos Gigantes Italianos e a segunda com relação aos Lizard, trata do fato de deixa-los descansar um certo tempo sobre as mesas de julgamento para que o desenho fique totalmente recomposto, pois o mesmo pode ser desfeito pelo estress causado no transporte das gaiolas até as mesas de julgamento.
Com relação aos Gloster queria discorrer mais um pouco, o que percebo ainda conversando com diversos criadores da raça é uma certa incerteza sobre que canários farão sucesso nas mesas perante os juizes, é notadamente sabido que os criadores da raça no Brasil se acostumaram com um padrão de canários, digamos que uma espécie de Norwich miniatura, canários com cabeça enorme, fato que segundo minha opnião terão que aprender a esquecer, porque não se tira canários de 11cm com esse tipo ou padrão de cabeça, além do que quanto maior essa cabeça maior será sempre o pescoço, ponto fundamental para o padrão da raça, pois o gloster não deve ter pescoço sobre hipótese nenhuma. Mas além disso ainda existe uma outra pergunta que não quer calar e que espera-se que os juizes a responda em consenso: Entre um canário completamente dentro do padrão da raça em todos os quesitos, porém no quesito tamanho este tenha entre 12,5 e 13 cm, e um canário com algumas pequenas deficiências no padrão em alguns quesitos, porém no quesito tamanho o mesmo esteja perto dos 11cm algo como 11,5cm (acreditamos que nesse momento seja impossível atingir 11cm com aves que estejam dentro do padrão, pois nem mesmo na Europa se consegue atingir esse tamanho de aves), quem ganharia?
A nós criadores so nos resta esperar a respostas das mesas de julgamento, só espero que seja qual for as respostas dadas pelas mesmas que sejam respostas únicas ou semelhantes, que esclareçam de uma vez por todas o caminho da raça no Brasil e que principalmente não venham a gerar dúvidas entre os criadores.

Video do mundial



Esses são alguns dos padrões de cores e raças que temos que atingir, se seu canario da muito mas muito longe disso, procure mudar o rumo de sua criação, claro, caso deseje ser um campeão

sexta-feira, 8 de abril de 2011

REPRODUTORES 2011 - Pintadão Com Topete

Canário indo pro primeiro ano de reprodução no Canaril Revorêdo

REPRODUTORES 2011 - Melanico Com Topete

Canário indo para seu segundo ano de reprodução no Canaril Revoredo, ano passado não me deu filhotes

REPRODUTORES 2011 - Azul Com Topete

Esse canário também irá para o seu terceiro ano de reprodução no Canaril Revorêdo, ele foi em 2009 terceiro lugar no quarteto no Campeonato Brasileiro e é cria do Amador, o amigo Tales de Minas junto com o Marcos Paulo, compraram esse canário para mim. No seu primeiro ano de reprodução ele me deu a canária que foi Best in Show da UNO e do Nordestão e ano passado me deu dois canários pintados sem topetes maravilhosos.

REPRODUTORES 2011 - Pintado Nevado CT - Roberto Carlos

Canario campeão do Nordestão de 2009 do criador Jorge Batista da Bahia, indo para o terceiro ano de reprodução no Canaril Revoredo, ano passado não tirei filhote dele.


quinta-feira, 7 de abril de 2011

Filhotes Melanicos ST

Femeas Reprodutoras ST

Comparativo Melanicos CT 2009 e 2010

Segue mais um vídeo comparativo de filhotes do Canaril Revorêdo, o primeiro canário que encontra-se em muda é o Melanico Nevado CT que foi campeão da UNO e do Nordestão, o segundo é um filhote 2010 que tirei ano passado decidam quem é melhor

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Melanico ST filhote 2010

Comparativo do Filhote 2010 com meu campeão de 2009

Esse video mostra o comparativo do meu filhote 2009 que foi campeão da Uno no torneio do ano passado, claro que ele está em muda e portanto devemos dar um desconto, logo em seguida aparece o filhote de 2010 que creio que saiu bem melhor que o de 2009, por ultimo mostro tambám uma pintadinha 2010 irmã desse filhote 2010, ambos são irmãos por parte de pai da minha canária que foi Best in Show do Nordestão ano passado em Fortaleza.

 

quinta-feira, 31 de março de 2011

Gloster Fancy Mealhada – One Day Show

O One Day Show é uma exposição de 1 dia na qual se julga 25 classes, esse vídeo que segue é de Mealhada Portugal 2010, claro que os senhores não conseguirão tirar os olhos do pássaros que são belíssimos e me fazem sinceramente ter pena de mim mesmo e dos criadores de gloster do Brasil, tamanho o hiato que há entre nossos padrões de aves, mas importante que observem outros detalhes, tais como, o modelo das gaiolas, a forma que as mesmas são expostas, a quantidade de aves, o local do evento, a organização, vale a pena ver e rever esse vídeo.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Como melhorar os nossos glosters por Kevin Galvin

Primeira etapa:
Para iniciar, sou da opinião que se deve selecionar dois criadores que tenham alguns anos de experiência e uma classificação regular nos seus resultados nas principais exposições de Glosters. Quando se tiver decidido em relação aos criadores, tente, se possível, obter quatro casais de Glosters de cada um dos criadores.
Ao iniciar com 16 aves, deverá realizar uma seleção das diferentes cores e tipos de plumagens.

O que eu proponho é:
Um intenso verde, fêmea se possível
Um azul completo ou branco pintado
Uma femea canela.
O resto do plantel será completo por 50% de verdes e 50% de pintados amarelos.

Duas razões para fazer esta seleção:
A primeira é o fato de nos permitir a oportunidade de acasalar todas as diferentes variadades de cores do canário gloster (à excepção do grizzles – ou lipo como é mais conhecido por nós).
Este fato dá-nos a hipótese de expor aves na maior parte das classes. Quanto maior o número de classes em que participarmos, maior a probabilidade de conseguir algum prémio, e assim ganhar algum prestígio no mundo dos glosters.
A segunda razão, a mais importante na minha opinião, é a possibilidade de obter diferentes tipos de plumagens, para alcançar o standart através do acasalamento destes.

Acasalamentos para o primeiro ano:
Uma fêmea canela com um macho verde ou ¾ verde
Um azul ou azul pintado com um verde ou ¾ verde
Uma fêmea intensiva verde com um ¾ verde ou um pintado com bom volume
Os restante cinco casais serão compostos por verdes ou ¾ verdes com pintado.

Segunda etapa:
É importante trabalhar com estes canários durante quatro a cinco anos, com uma seleção rigorosa, tentando eliminar progressivamente os defeitos. Conservar apenas as aves muito boas para dar continuidade a nossa linha.
É importante conservar um registro escrito das nossas aves, sobretudo se optarmos por não recorrer a aves de outros criadores e queremos formar a nossa própria linha de glosters.
Nos nossos registros de criações, devem estar identificadas claramente as aves canelas e os machos portadores de canela. Mais uma vez, no caso de pouca experiência, não ter medo de pedir conselhos aos mais experientes.
Com os canelas, azuis e intensivos, é aconselhável conservar sempre aves suplentes com as mesmas qualidades no caso de algum deles se recusar a acasalar. Esta prática é muitas vezes preferível do que recorrer a uma outra ave proveniente de outro canaril podendo ser prejudicial à nossa linhagem.
Também por isso é de boa prática quando se vendem aves do nosso canaril conservar os nomes dos criadores que os compram, eles poderão ser-nos úteis no caso de ser necessária uma substituição no nosso plantel.
Deverá conservar-se para as nossas criações um mínimo de 16 fêmeas, se possível mais. É importante conservar as diferentes cores e tipos de plumagem. Com menos de 16 fêmeas, é quase impossível de expor glosters no TOP ano após ano. Se tudo correr bem, após cinco anos teremos a nossa própria linha de aves, todas com proximidade genética. Nesta etapa é importante conservar três intensivos verdes ou ligeiramente variegados, e acasalar dois no mínimo. Em geral, é importante ter mais do que 16 fêmeas, e cerca 13 machos, entre eles dois azuis, um canela visual e um macho portador de canela.

Terceira Etapa
No caso de se possuir uma boa linha de glosters, mas que ainda não ganhou uma exposição, é aconselhável começar na terceira etapa.
Chegada a altura das exposições, se tudo correr bem, começam a surgir os resultados. No caso de vencermos algum prêmio será uma prova do trabalho realizado, sobretudo se forem aves descendentes do nosso próprio canaril, fruto das nossas seleções, do nosso trabalho. Caso contrário, deve ser-se honesto e humilde, aceitar os defeitos ou falhas que são apontados aos nossos pássaros. E, se necessário pedir ajudas ou conselhos a outros criadores campeões. Depois de identificadas as falhas e os aspectos a corrigir, será então altura de procurar sangue novo para tentar retificar os defeitos da nossa linha de aves. Será necessário um macho de excelentes características em falta no nosso plantel. O melhor será recorrer ao criador que nos forneceu as nossas primeiras aves. Outra alternativa, é recorrer a criadores que possuam uma linha de aves muito semelhante à nossa. Uma vez encontrado o macho ideal a próxima etapa é acasala-lo com duas fêmeas. Inicia-se assim uma nova família. Os filhotes provenientes desses cruzamentos deverão mostrar qualidades erradicando ao mesmo tempo os defeitos. Caso contrário, devemos desfazer-nos do macho e dos filhos. No ano seguinte procurar um novo macho e voltar a repetir o mesmo procedimento. Quando estivermos satisfeitos com o resultado, com alguns, ou mesmo todos os pássaros desta nova família, poderemos introduzi-los gradualmente na nossa própria linha. No caso de novas falhas virem a aparecer devemos de estar preparados para uma árdua tarefa de vários anos.

Mais reforços

Outro canário que chega para reforçar o Canaril Revorêdo é esse macho pintado intenso sem topete vindo tb do Canaril San Martin do meu amigo Wlad Silva, praticamente todas aquisições desse ano do meu canaril serão em canários intensos e em canários lipo.

quarta-feira, 23 de março de 2011

VÍDEO DE GLOSTER NO CAMPEONATO MUNDIAL

Esse vídeo encontra-se no site da OBJO, foi feito e postado pelo Carlito Lemo no campeonato mundial, o que nota-se claramente nesse vídeo, é a enooooooorme diferença de padrão dos nossos gloster brasileiros para os "digamos"de nível mundial, temos que pensar não só na redução do tamanho como também e principalmente na forma, notem que os gloster "estrangeiros" não tem o menor vestígio de pescoço, bem como não possuem aquelas cabeçonas de Norwich, cabeças enormes, e sim o que percebe-se, é que na verdade o padrão dito europeu naum existe divisão cabeça, pescoço e tronco, e sim um único bloco robusto porém pequeno e bastante harmonioso, outro ponto que se percebe claramente, é que eles possuem um topete correto, bem sentado, com minimo ponto central, mas naum são também enormes topetes cheios e longos. Vejam o vídeo e tirem suas conclusões.

segunda-feira, 21 de março de 2011

COMEÇAM A CHEGAR OS REFORÇOS DA TEMPORADA 2011

Acabo de negociar com o meu amigo e criador Wladimir Silva de Baurú - SP, a vinda para a temporada 2011 de 1 belo exemplar das suas crias de 2010, trata-se de uma Gloster Sem Topete Fundo Amarela Melanica Intensa, que logo após os torneios deverá está aportando no Canaril Revoredo

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

600 canários a venda


O amigo Paulo Cesar Lof, está disponibilizando a venda de cerca de 600 canários que ele adquiriu do plantel do Maurício Müller, que por razões pessoais, parou definitivamente de criar, incorporando assim todo o plantel do Maurício. Como das cores que ele criava os dois só tem em comum os ágatas vermelhos mosaicos, o mesmo está disponibilizando a TOTALIDADE de várias linhas dele.
Maurício é um ótimo criador e no seu retorno, já conquistou vários campeões brasileiros e canários classificados, canários esses que estão disponíveis na totalidade, sejam vermelhos ou amarelos. Também se incluem nas vendas os canários que ele adquiriu de grandes criadores.
Os preços variam de R$ 150,00 a R$ 250,00 para os adultos e de R$ 200,00 a R$ 400,00 para os filhotes e para os classificados no brasileiro e seus canários de concurso, dependendo o preço da qualidade.

As fêmeas ágata amarelo marfim mosaico do quarteto campeão brasileiro 366 pontos estão disponíveis, com exceção de uma que morreu. Os dois quartetos dele que foram desclassificados quando estavam em 1º também estão à venda (ag am mf ms mc e ag am ms fm).

Um traço maravilhoso dos canários dele é a qualidade da plumagem e da forma. Lindíssimos.

São aproximadamente:

ag vm ms

50 machos filhotes
40 fêmeas filhotes
40 fêmeas adultas
20 machos adultos 

ag vm mf ms
15 machos filhotes
25 fêmeas filhotes
5 machos adultos
15 fêmeas adultas

ag am ms
50 machos filhotes
40 fêmeas filhotes
35 fêmeas adultas
15 machos adultos

ag am mf ms
30 machos filhotes
35 fêmeas filhotes
15 machos adultos
15 fêmeas adultas

ag topázio vm ms e vm mf ms
15 machos filhotes
15 fêmeas filhotes
10 machos adultos
5 fêmeas adultas

verdes mosaicos
80 filhotes machos e fêmeas
40 adultos machos e fêmeas

verdes intensos e nevados
40 filhotes machos e fêmeas
25 adultos machos e fêmeas


cobres mosaicos
30 filhotes machos e fêmeas
20 adultos machos e fêmeas

Quem desejar mais informações contactar o Paulo Cesar Lof atraves site pelo site www.vermelhos.com.br ou pelo e-mail pc@annex.com.br

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Gloster Sem Topete - Filhote 2010 anel 070




Gloster ST fundo amarelo nevado, filho de Gloster CT fundo branco melanico (2008 - Dalacort - Qtt 3º lugar no CB) x Gloster ST fundo amarelo nevado pintada (2009 - Tales) 

Gloster CT fundo amarelo nevado Filhote 2010 - Anel 069




Canário com 5 meses filho de Gloster CT fundo amarelo nevado - 2004 (Basile) x Gloster ST fundo branco pintado - 2009 (Tales)

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

DO LIMÃO A LIMONADA


Nada mais azedo e por vezes mais amargo que um limão, mas quando o pegamos e adicionamos a quantidade certa de água, açucar e gelo conseguimos transformá-lo numa saborosa e refrescante limonada. O período de cria de 2009 foi excelente para mim, com apenas 8 fêmeas e 5 machos, tirei exatos 37 filhotes de gloster, é verdade que em termos de quantidade poderia até ter ter sido melhor, porem me dei por satisfeito, pois quando no ano seguinte com esses 37 filhotes consegui expor 35 e ter 31 destes classificados no clube, sendo 9 campeões e classificando ainda 17 dos mesmos para disputar o nordestão, onde também acabei me saindo muito bem, conquistando inclusive o título de canário de porte best in show do torneio, imaginei que 2010 seria o ano da minha criação. Junto a isso soma-se os investimentos que fiz em novas aves de criadores renomados ampliando meu plantel para 20 casais da raça, tudo ia maravilhosamente bem com expectativa excelente, os casais foram cuidadosamente estudados e agora bastava esperar a época certa para acasalar e ver os resultados práticos.
Chega a tão esperada época de cria e ai começa a surgir o tal limão dessa história, a maioria de minhas fêmeas estavam prontas já em maio enquanto que os machos todos sem excessão frios e em muda, não se ouvia no canaril um canto de canário, aqui no nordeste a época ideal para acasalarmos ocorre geralmente no mês de julho, nessa época, meus machos estavam começando a engrenar alguns já bem prontos, mas para minha surpresa todas as minhas fêmeas haviam entrado em muda braba, os dias, as semanas foram passando, e a muda delas continuando, resultado, só consegui juntar meus casais no final de agosto pro meio de setembro e mesmo assim a maioria deles não estavam 100%, em alguns as femeas não se encontravam em ordem, em outros os machos, entramos em outubro e enquanto vários criadores já começavam a encher suas voadeiras eu estava entrando na primeira rodada de ovos de alguns de meus casais, falo alguns porque outros nem ovos tinham, o resultado é dos meus 20 casais formados menos da metade chegou a se aninhar e por, desses alguns não criaram direito, outros os machos não encheram significativamente e o resultado da criação do ano foi catastrófica pouco mais de 20 filhotes com 20 casais…media absurda…desmotivação e pensamentos tortos de parar de criar. Ai no meio disso tudo resolvi desencanar, dei o ano de cria como perdido e passei a planejar a criação para 2011, quando fiz isso consegui me acalmar e olhar melhor para os canários e assim passei a transformar o limão em limonada, porque consegui aprender com o fracasso, passei a observar o que estava dando errado, e consegui realmente conhecer melhor o gloster, como ele age, sua qualidades, suas falhas, o que nós criadores podemos compensar para realmente melhorar produtividade das aves e a partir daí evoluír como criador, abaixo repasso a vocês algumas conclusões que tirei do meu fracasso, claro que ninguém deve levar ao pé da letra, pois não é um estudo científico e nem detalhado, são apenas observações de um ano dentro de apenas um canáril, mas creio possam sem dúvida servir de balisamento para os criadores melhorarem sua criação.
01.  O gloster é uma ave muito dócil e mesmo sendo uma raça de porte pequena e que aparenta bastante vivacidade ele ainda é bem mais calmo e preguiçoso que o canário de cor, por ser assim, alguns cuidados podemos tomar na época de cria, como por exemplo deixar a canária sozinha para criar os filhotes, observei que sem o macho, elas ficam mais atentas e mais cuidadosas, com o macho na gaiola a mesma fica dependente do mesmo, e ainda mais preguiçosa até mesmo para se alimentar, o que a faz sair pouco do ninho e consequetemente alimentar pouco os filhotes, fazendo eles definharem e não se desenvolverem a contento, já sem o macho, elas saem mais do ninho para se alimentar e toda vida que voltam os filhotes praticamente a obrigam a dar-lhes comida.
02.  A canária gloster não é boa criadeira (pra mim isso é um fato), por melhor que pareça boa mãe, ela não dá conta de sua ninhada sozinha, então o uso da papinha é fundamental, principalmente até o dia do anilhamento do filhote, a partir daí eles ficam mais fortes e passam a exigir comida, mesmo assim aconselho continuar com a papinha até eles sairem do ninho.
03.  As canárias gloster adoram ninho, e também adoram pôr ovos, quando elas estão prontas, e você as põe junto ao macho por muitas vezes elas correm para o ninho o fazem e põe sem nem dar ao macho a oportunidade de conquistá-las e claro copula-las, por isso geralmente a primeira leva de ovos dos gloster são claros, a partir da segunda leva é que começa realmente a encher os ovos pois ela está mais acostumada com o macho e este com a femea.
04.   Existe 5 fases criticas para a sobrevivência dos filhotes de gloster, e temos que estar atentos a elas se quisermos conquistar o sucesso desejado. O primeiro dia é fundamental, você tem que observar se a canária é jeitosa, se ela sai do ninho, se quando volta tem cuidado com os filhotes, e se esta alimentado-os, caso isso não ocorra passe os filhotinhos para outra canária imediatamente, a segunda fase é que vai até o dia do anilhamento, que é basicamente os 5 dias a 1 semana período o qual você está alimentando os filhotes, se eles chegarem fortes e bem desenvolvidos até o anilhamento estes terão 50% de chances de sobreviverem, a Terceira fase crítica é após o anilhamento, pois algumas canárias incistem em tirar os anéis e acabam derrubando ou jogando os filhotes para fora do ninho, é interessante vistoriar o fundo das gaiolas pelo menos 3 vezes ao dia, pois caso algum filhote caia deverá ser posto imediatamente no ninho para que possa ter chance de sobreviver, a quarta fase crítica é quando eles saem do ninho, principalmente quando a ninhada é mais numerosa, pois como eles ficam dispersos pela gaiola e não mais concentrados dentro do ninho, a canária nem sempre consegue sair atras de cada um para alimenta-los, eles que tem que ir até ela e pedir comida, as vezes um filhote mais novo ou mais fraco ou mesmo mais bobo não consegue ir e acaba definhando, fique atento e tente compessar alimentando esse filhote, um dia sem comer direito é a morte para um filhote mesmo que ele esteja sadio. A quinta e última fase crítica é quando os mesmo completam 1 mês de vida e temos que separa-los da mãe, pois tanto ela já deverá está em choco projetando uma nova ninhada, quanto os mesmos precisam ter vida própria, certifique-se que os mesmos já se alimentam sozinhos antes de separar eles completamente, caso um ou outro ainda não esteja se alimentando sozinho, deixe ele com a mãe mais alguns dias e observe seu desenvolvimento.